Inimigos da Usabilidade

Baixe o arquivo en Word .DOC

Traduzido do título original em inglês publicado em:
Enemies of Usability
por Peter Morville, October 14, 2002
Tradução: Juliana Dorneles, 13 de Fevereiro 2012

Versão: Português do Brasil

Inimigos da Usabilidade

Não dê atenção à propaganda negativa. As coisas não estão tão mal quanto parecem. Nunca se entregue, especialmente agora!

Acredite ou não nós estamos vencendo a guerra a favor de mais usabilidade em produtos, software e sistemas.

Na última década, já temos visto grandes melhorias em usabilidade, de celulares a softwares de contabilidade e web sites.

Mas não pense em relaxar. Agora é hora de avançar.

E, conforme vamos em direção a terras hostis, é ainda mais crucial conhecer o inimigo.

Nós Somos o Inimigo?

Em uma recente entrevista, Don Norman nos coloca como nossos próprios inimigos:

Por que temos tantas coisas sem usabilidade quando nós sabemos como fazê-las usáveis? Eu acredito que isso tem a ver com o fato de que advogados da usabilidade não entendem de negócios.

Eu discordo. Eu conheço muitos advogados da usabilidade que falam a língua dos negócios fluentemente. Podemos melhorar? Com certeza. Mas no geral, nós somos a solução, não o problema. Não vamos enfraquecer nossas linhas pelo fogo amigo. Nós temos muitos inimigos reais para nos manter ocupados.

Ruim para os negócios

Peter Merholz revela um dos reais inimigos na seguinte citação:
Frequentemente, o que é mais útil, usável e significante para o usuário final não é válido do ponto de vista dos negócios, e o produto apesar de ser popular é um fracasso financeiro.

Por que durante muito tempo os vídeo-cassetes eram tão difíceis de usar? Por que nós somos forçados a gastar horas das nossas vidas retirando etiquetas grudentas de brinquedos e taças novas? Por que parece que alguns websites e telefones foram feitos para nos impedir de encontrar o que procuramos?

Porque às vezes, investir em usabilidade é ruim para os negócios. Às vezes, a usabilidade de um produto não afeta a decisão de compra. Às vezes, entender as necessidade do negócio significa ignorar ou até mesmo prejudicar de propósito a usabilidade de produtos, sistemas e software.

Combate direto é inútil contra estes inimigos. Nenhum gerente vai investir em usabilidade sob estas condições.

A boa notícia é que as condições estão mudando. Sites de avaliação e teste de produtos que surgiram inicialmente com Epinions, Amazon e CNET ajudam os consumidores a aprender sobre a qualidade e usabilidade dos produtos antes de tomarem a decisão de compra e com isso mudam esse campo de atuação e tornam a usabilidade uma coisa boa para as empresas e seus produtos.

Os mercados e a tecnologia irão gradualmente derrubar este inimigo. Como advogados da usabilidade, devemos guardar munição.

Tomadores de Decisão Inexperientes

Talvez possamos identificar um alvo melhor se focarmos no mundo da usabilidade. Infelizmente, muitos dos executivos e gerentes de hoje passaram anos de suas formaçãos acadêmica em um mundo pré-internet. Eles simplesmente não entendem o assunto o suficiente para tomar boas decisões sobre o que fazer ou quem contratar.

Isso nos levou à proliferação de estúpidas introduções em Flash em websites de pequenas empresas e milhões de dólares gastos em fiascos nos sites e intranets de grandes empresas - que por sua vez deram margem para profecias auto-cumpridas sobre o fracasso da internet como ferramenta de colaboração e comércio.

Alguns gerentes ativamentem sustentam sua ignorância sobre o que funciona e o que não funciona, enterrando as estatísticas de uso e resultados de pesquisas com usuário. Sei de uma empresa da lista da Fortune 500 que esconde todos os seus estudos sobre uso da intranet em um servidor quase inacessível nas Filipinas.

Mas nem todos são causa perdida. Se você conseguir atrair sua atenção talvez possa convencê-lo a pensar duas vezes antes de contratar uma consultoria que ofereça "comprar uma introdução em Flash e conseguir um estudo de taxonomia de graça".

Vale a pena lutar para salvar os tomadores de decisão do lado negro. Educação e evangelismo sobre os benefícios da usabilidade são as nossas armas secretas. A alternativa é esperar as atuais crianças de 3 anos terminarem seus MBAs.

Xenofobia

É muito fácil para um indivíduo apontar problemas de usabilidade mas é muitas vezes impossível que ele possa resolver estes problemas. De fato, na maioria das organizações, o design de sistemas que inclua usabilidade acaba envolvendo múltiplas equipes, departamentos e disciplinas.

Estas colaborações são notoriamente confusas. Talvez nossas heranças tribais tenham nos deixado o medo da diferença. Talvez as organizações não consigam alinhar os objetivos e benefícios entre os diferentes grupos. Talvez nós secretamente gostemos de dificultar.

Uma palestrante em minha aula falou sobre sua experiência como primeira Arquiteta de Informação em sua empresa. Não muito tempo depois de começar ela foi proibida de desenhar wireframes. Aparentemente, os desenvolvedores de software tinham medo que ela limitasse o controle criativo que eles tinham sobre a interface.

Nos meses seguintes ela conseguiu sorrateiramente incluir wireframes em alguns projetos de menor visibilidade. Com o tempo, os desenvolvedores acabaram se tornando dependentes deles. Wireframes agora são entregáveis obrigatórios e sua habilidade em usabilidade é bastante requisitada.

Quando se trata de criar confiança e respeito, ações falam mais alto do que palavras. Para combater este inimigo, educação e evangelismo não são suficientes. Uma estranha forma de combate direto que envolve fazer um bom trabalho e ser amigável com as pessoas que são diferentes se faz necessária.

E sempre, enquanto você lida com os inimigos da usabilidade, lembre-se que nós estamos ganhando a guerra, não tenha medo de agir às escondidas.

Esta página foi modificada pela última vez fevereiro 17, 2012 12:33 PM.